Dois irmãos, mesma criação

Vendo o noticiário sobre um assalto à mão armada: o bandido intercepta um motoqueiro numa avenida e rouba sua moto. Um policial assiste o ocorrido e atira no bandido que vai ferido pro hospital.
Gui, indignado: “Pra que isso? Ele já tinha levado a moto, não feriu ninguém…”
Gu, irado: “Ah! Eu se visse um bandido correndo atirava pra matar!”
O pai, tentando amenizar: “Que isso filho, às vezes as pessoas se arrependem dos seus erros…” e sem terminar a frase, Gu já interrompe e diz: “Pai, é melhor matar um do que esse um matar mil!”

Sobre black blocs e política

Desde que a sequência de manifestações começaram aqui no Brasil, vários “analistas” vêm emitindo suas opiniões sobre vários aspectos. Uns falam com propriedade, outros são muito superficiais, outros manipulam informações intencionalmente e outros falam mesmo é muita bobagem!
Gostei do texto do Bruno Fiuza sobre black blocs, grande “mistério” das manifestações.
Segue link: http://www.viomundo.com.br/politica/black-blocs-a-origem-da-tatica-que-causa-polemica-na-esquerda.html

Internação na Maternidade AMIU Jacarepaguá

Resolvi escrever sobre minha internação na Amiu de Jacarepaguá pensando na pouca informação que consegui na internet e as que consegui, em sua maioria foram superficiais porque, infelizmente, a maternidade não tem um site. Eu tentei buscar o máximo de informações possíveis durante a gravidez, pois me internaria neste hospital.
Começo dizendo a nota: 3,5 de um total de 5.
A recepção é boa, nos atenderam bem. O hospital em geral, é limpo, os corredores são estreitos, quartos pequenos, mas com espaços muito bem organizados. Não fui à enfermaria, mas ouvi dizer que é espaçosa e tem uma grossa cortina dividindo os leitos, o que dá maior privacidade.

No banheiro do quarto onde fiquei, a cortina do box não ia até o chão, o que causava uma tremenda molhadeira a cada banho; isso foi muito incômodo, pois depois do banho tínhamos que solicitar alguém da limpeza para secar o banheiro.
Num momento importante, precisamos de alguém da limpeza e a pessoa demorou um bocado – talvez por causa da demanda, porque todas as serventes limparam e/ou secaram tudo direitinho.

O colchão da cama era meio desconfortável para quem tinha acabado de passar por um cirurgia e estava sem mobilidade no corpo, tendo que ficar muito tempo na mesma posição. Meu quadril doía um pouco às vezes e quando perguntei sobre a possibilidade de trocar o colchão, nada feito. Porém, a altura do colchão deve ser padrão hospital, pois já estive em hospitais em que percebi o mesmo problema. Ainda tem o agravante que são os colchões gastos, ficam mais finos e desconfortáveis principalmente para os/as pesadinhos/as, que era o meu caso.
E o controle da cama estava com mau contato. Depois descobrimos um “macete” e ele funcionou bem.

Acompanhante paga a comida, almoço e jantar, café da manhã é por conta do hospital. O valor era de R$ 13 por refeição, nada barato para uma comida de hospital…

Contudo, para o paciente a comida era ótima – eu achei! Bem temperadinha, saborosa.
E as refeições chegavam no quarto no horário certinho.
Também gostei do café da manhã, não tinha fruta, mas tinha pão, biscoito, torrada, geléia, manteiga, um tipo de requeijão, café, leite e iogurte.

As técnicas de enfermagem foram, quase todas, super atenciosas e pacientes, não tenho o que reclamar delas.
Sobre a equipe médica do hospital não posso emitir opinião, pois minha médica e sua equipe, não são fixas do hospital e não tive contato com nenhum médico de plantão.

No geral, a maternidade é muito boa porque possui um bom centro cirúrgico e UTI neo-natal, que é um diferencial.

Um ponto legal também é que antes de internar-se, a interessada pode ir lá conhecer as dependências do hospital e tirar suas conclusões.

Recomendo.