Mudanças bem-vindas

mudancaMinha primeira postagem no blog data em 2009… Como eu mudei em 7 anos… E dou graças… Talvez eu fosse uma beata “bolsonariana” com a melhor das intenções… Espalharia discurso de ódio achando que estaria praticando o amor, seria, talvez, extremamente preconceituosa – digo extrema porque não sou tanto, mas ainda assim, tenho meus preconceitos. Seria conhecida como uma bênção, mulher de oração, cheia da unção. Talvez eu fizesse um voto de pobreza, o que, sinceramente, não condenaria hoje, porque sei que seria sincero. Estaria entre presídios e hospitais pregando, orando, chorando e sofrendo… o que também não condenaria hoje, considero práticas louváveis e não me eximo ainda de praticá-las, mas de forma diferente.

De pensar que tudo mudou com minha passagem pelo seminário… Como foi doloroso e libertador o tempo em que estive lá, especialmente por descobrir que o tal cristianismo, aprendi em casa, com minha mãe e seu exemplo simples e honesto de ser. Só isso já me bastaria… Porém, essa minha mania de vasculhar tudo, cavar origens, buscar primórdios, me deixa ainda inquieta para desvendar tantos “mistérios”, descobrir tantas verdades, caminhar e caminhar…

Não tenho vergonha do passado recente, me ajuda a ser compreensiva e paciente com quem ainda está lá… cada um tem sua história e suas dores… não é fácil crescer, mas é ruim não querer.

Eu devo estar na fase de “juniôr”, antes da adolescência… sem entender muito bem as reais intenções, achando tudo muito curioso… E estou bem assim, no meu ritmo, no meu tempo, curtindo minha mudança.

 

Palavras de Dandara

menina
Minha pequetita está falando bastante, ainda incompreensível em muitas frases, mas encantadoramente linda e engraçada! Capricha na letra T, coloca em quase todas!

Titoto – biscoito

Teita – deita

Gaaná – guaraná

Pepa pid – Peppa pig

Iz sissi – fiz xixi (avisa sempre depois de já estar patinando no xixi…)

Utau – Gustavo

Iéé – Guilherme

Tiia mão da bota – tira a mão da boca

Tá suo –  tá sujo

Uz – luz

Titidu – vestido

Tiuá – celular

Baiapiina – bailarina

Tetetô – ventilador

Neném é neném mesmo. Bebê é bebê também. São as palavras que ela mais gosta… Vê neném em tudo!

(escrevi em novembro de 2015, quando ela tinha dois e dois meses. Impressionante, como em apenas oito meses, ela fala tudo quase que perfeitamente!)

 

Recordações

fredvilma

Lembrei de quando, no início do nosso casamento, no primeiro ou segundo mês, meu preto saiu do trabalho, encarou horas no ônibus de volta pra casa e ainda foi ao mercado. Foi fazer compras. Acho que eu não fui junto para não gastarmos muito dinheiro de passagem.
Ele foi… Levou uma bolsa de napa, bem grande, que estava perdida entre nossas poucas coisas. Fez as compras no mercado e voltou… Voltou com a bolsa nas costas – estilo Papai Noel, pois ela tinha meio que o formato de um saco – com nossa comida dentro: arroz, feijão, açúcar, leite, óleo, “misturas”, como dizia minha avó. Lembro que estava pesada, lembro dele cansado, pois voltou a pé para economizar a passagem, andou por volta de meia hora. Estava cansado, mas estava sorrindo, feliz por poder trazer nosso alimento.
Boas lembranças… nossas histórias…