A aproximação do elogio

Gosto de elogiar as pessoas, gosto de ver algo de positivo nelas, sejam roupas, acessórios, maquiagem, estilo do cabelo, atitudes, olhares, palavras, pensamentos expressos… tudo é motivo para elogios ou pelo menos uma palavra positiva. 
O ser humano é fantástico, maravilhoso, misterioso, criativo… uma eternidade de características que não cabem em si e geralmente, no cotidiano, enxergamos muito mais as maldades e coisas negativas do que as positivas, mas todos tem algo de bom em si.
Pode ser que eu aja dessa forma para receber o mesmo em troca, pode ser. Mas sem dúvida ajo assim porque gostaria de ser tratada assim. Gosto de agir com os outros da mesma forma como gostaria que agissem comigo, independente do retorno. Não necessariamente só elogiando – isso não significa nada, qualquer pessoa “falsa” faz isso brincando, com a maior naturalidade – mas procurando ser gentil, estando disposta a ajudar, envolver-me, etc. 
Pensando bem, se fizesse isso somente para receber em troca, já teria desistido… Sou muitíssimo exigente e as ações dos outros, na maioria das vezes, não são suficientes para mim. Então, já que não tenho um retorno  à altura de minhas “doações”, poderia não doar mais! Soberba? Acho que não, verdade nua e crua, sem rodeios.
E vou arriscar generalizar. A maioria de nós não pensa no outro e sim no desgaste que é tratá-lo bem, aproximá-lo, conviver com ele e junto com ele seus numerosos problemas que estando próximos de nós, participaríamos de alguma forma, mesmo que só acompanhando.
É uma tarefa árdua olhar pro outro e ver algo de bom quando nossa mente é naturalmente egoísta e individualista, um exemplo sou eu mesma, quando falo, neste texto, sobre algo que considero qualidade, falo de mim, de minhas atitudes “boas” e quando falo do que não é bom, generalizo, não falo só de mim e sim de “todos”.
Comprova-se aqui que eu sou mais uma egoísta e individualista que luta contra o “natural” distanciamento do próximo. Só mais uma. Não querendo ser só mais uma, mas fazer nem que seja um pouco, de diferença no meio da natural maldade, buscando a natural bondade, que existe, porque é ela que me motiva a olhar pro outro e realmente me sentir feliz e tentar fazê-lo feliz também, mesmo que por um instante, mesmo que com um simples elogio.

Encontrando-me, ainda…


Autopsicografia                     
O poeta é um fingidor.
Finge tão completamente
Que chega a fingir que é dor
A dor que deveras sente.
E os que lêem o que escreve,
Na dor lida sentem bem,
Não as duas que ele teve,
Mas só a que eles não têm.
E assim nas calhas de roda
Gira, a entreter a razão,
Esse comboio de corda
Que se chama coração.

Fernando Pessoa

Gentileza e esperança, havemos de ter!

Acorda Brasil! “Como será o futuro do nosso país? Brasil olha pra cima, há uma esperança, volta teus olhos pra Deus, Brasil!”
Lendo o profeta Gentileza, lembrei de alguns trechos de canções do João Alexandre e penso mesmo em como caminheremos, o que será de nós, humanos…?!, em especial, brasileiros.
A tecnologia a cada dia está mais desenvolvida, as pessoas com mais acesso a informção, as crianças mais espertas, etc. Aparentemente, deveríamos estar caminhando para melhor, mas a tecnologia é muito bem usada para o mal e nem tanto para o bem, acesso temos à informação, mas não buscamos, por isso não somos informados e nossas crianças super espertas crescem com suas mentes deturpadas focando o “ter”. Claro que estou generalizando, mas estes procederes são os mais comuns.
Queria muito que esse mundo pudesse conhecer Cristo e vivê-lo, mas há tanta indiferença em nós que nos dizemos dele, que não é muito atrativo nele crer e muito menos segui-lo.  
Não, não sei o que fazer a não ser a minha parte… mas qual será ela? Viver e viver bem, acho.
Também não sei viver sem que seja em prol do outro (claro que se eu quiser, eu saberei bem rapidinho, sou egoísta, mas tento ser menos, a cada dia tento). Não vejo Deus senão na predisposição em servir, em cuidar.
Melhor que os militares e sistemas políticos, nós cristãos, serviríamos ao Brasil com amor, paz, justiça, abnegação e outras características “tipicamente” cristãs das quais, gentileza é uma, trazendo mais esperança para o nosso país. Ainda me perco em tanta maldade, mas “ainda não é o fim…”

Por que não viver de romance?

Parece meio irreal, talvez seja realmente, viver de romance, viver de amor… Por que não dá? Amor implica decisão, atitude, compromisso, empatia, respeito, cautela, esperança, etc. Por que não dá pra viver assim? Por que temos que viver a falta de amor, a mentira, o “jeitinho”, a dúvida, o medo, a incerteza?

Ah, humanos… Só Jesus para nos amar assim!!

Qual o problema do saudosismo?

Me causou muita curiosidade quando percebi, ao ler algumas reportagens, artigos e outros textos em que os autores que se referiam ao passado iniciavam com a frase “não sou saudosista, mas…” Acho que não consegui entender ainda o que é saudosismo, porque não entendo que mal há nele para que as pessoas não o aceitem!
Se saudosismo for ficar preso ao passado e desprezar o novo de todas as formas, não é realmente saudável, traz tristeza e perturbação, mas se for “saudar” o que já passou lhe dando o respeito devido, não vejo problema algum. Recordar é viver sim! Lembranças também nos trazem esperança, traz sorriso nos lábios, gargalhadas e até lágrimas que podem ser curtidas sem frustração.
Não sei, não, talvez eu seja saudosista, gosto de voltar, de ver de novo, sentir de novo coisas boas, claro! coisa ruim, tanto no passado como no presente, devem ser ignoradas. Tá, não vou dizer que aceito as novidades assim tão fácil, geralmente elas passam por uma análise, são pesadas na balança e aí então, aceitas ou não e mesmo quando não, mais tarde, provavelmente serão.
Conosco: “triste berrante” que me fez pensar sobre saudosismo e me fez lembrar a novela Pantanal que, dessa posso dizer: não tem igual! (aos que nasceram de 1981 para traz)




Relação de fantasmas!

Esses sites de relacionamento não tem relacionamento nenhum! Que saco essas coisas superficiais… Claro, dá pra manter umas conversas engraçadas, mas mesmo assim, não é nem de longe um contato satisfatório, pelo menos pra mim. Eu gosto de ver o sorriso :)), ouvir os risos =D, secar as lágrimas e chorar junto =(.., gosto do abraço, do cheiro, do toque, dos beijos estalados nas bochechas, nas testas! Gosto de gente de verdade!
Talvez o e-mail seja o menor dos piores, pois como ainda é um “correio eletrônico”, só são enviadas mensagens pessoais, se realmente quisermos dizer algo à outra pessoa, só escrevo uma carta a quem quero dizer algo.
Tudo bem, cada um vê e sente os prós e contras de acordo com sua vivência e pontos de vistas e “sentidas”, mas eu tô fora! Volto ao telefone, pelo menos dá pra ouvir as lindas vozes do outro lado e se emocionar, dá pra orar, pra rir e conversar.
Essas conversas superficiais momentâneas tem me deixado com medo, medo de falar, de comentar, de não compartilhar… e não compartilho mesmo! Que tanta gente é essa que eu conheço? Eu não conheço!
Tentei manter-me conectada por conveniência e porque é bom acompanhar certas notícias, certas famílias… mas não consigo só acompanhar, quero participar e não dá pra participar… aí dá pra pirar!
E esse blog?! Li que isso é um “diário online”… haja… pra que que eu escrevo aqui? Se esse fosse meu diário…rsrs. O bom é que aqui, perde ou investe tempo que quer!
Tudo meio louco, detesto escrever assim de qualquer jeito, mas estou meio com raiva… meio… sei lá, acho que meio “tanto faz”. Aí, lê quem quiser, comenta quem quiser, se eu quiser eu publico, se eu não quiser não publico, se ninguém ler tá bom, o importante é que eu vou ler depois e provavelmente vou rir e até me arrepender de ter deixado esse texto pobre no meu blog, mas falando a verdade, acho que ele não será o único.

Ai, ai, porque eu tenho que levar tudo tão a sério?? até o que não é sério?? Argh!!!

O que eu não posso abraçar

Refletindo sobre o que gosto, o que gostaria e o que tenho que fazer, pensar, planejar, administrar e tantas outras ações, atitudes e sei lá mais o quê, fico triste, angustiada, choro, e fico triste denovo… Mas fico muito, muito feliz por perceber a eternidade que há em mim! É impossível pra mim, viver do jeito que quero ou espero, “abraçando” tudo e todos e compartilhando tudo com, pelo menos, a maioria.
Acabo de ler um post do meu irmãozinho Filipe sobre mais uma Madrugada do Carinho e lembrei de uma reflexão que me consome um bocado quando volta à minha mente: porque não sou durante o dia o que sou na madrugada?
Durante as Madrugadas do Carinho, nenhum mendigo, drogado, abandonado, meliante, prostituta ou qualquer outro tipo de pessoa passa despercebido diante de mim e do grupo que acompanho, estamos ali para servi-los, para amá-los e respeitá-los, cremos (ou pelo menos professamos isso) que essas pessoas podem, caso queiram, ser libertas por Jesus, Salvador de todos os que O confessam com a boca e crêem em seus corações (Romanos 10.9,10).
Madrugadas no Centro da cidade do Rio, Central do Brasil, horário aproximado: 1h às 4hs. Amo este trabalho, amo tanto que não concordo que seja feito apenas nas madrugadas, pelo menos por mim.
De dia, minha vida “normal”, trabalho no Centro e passo por mendigos, drogados, abandonados, prostitutas e etc, diariamente passo por eles e elas e eles e elas passam por mim. Não abordo essas pessoas, não paro para falar com elas, para cumprimentá-las, para servi-las, para oferecer-lhes uma palavra de carinho, uma proposta diferente de vida, a vivida em Jesus. Me sinto estranha com isso, ainda me falta equilíbrio para administrar esse sentimento, desejo ser o que sou na madrugada em tempo integral.
Tudo bem, é óbvio que, tenho alguns minutos de almoço, interagindo com a população de rua como nas madrugadas, o estado em que voltaria para o trabalho pediria banho e descanso, oração e reflexão… Impossível! Sou paga para produzir no que me compete e tenho que honrar o meu Deus exercendo bem a minha função no trabalho que, creio, Ele me deu.
Me sinto estranha, pois isso parece uma reclamação. Não gostaria de reclamar.
Transfiro meus desejos para minhas orações, meu Deus eterno e maravilhoso pode fazer o que não posso, o que não sei, o que nem imagino, mas sinto, sinto algo que transcende a mim, algo que me torna tão pequena que me faz adorar, me faz ajoelhar, render-me a esse Senhor tão poderoso e eterno, que não sei como ainda me considera importante e sendo agente do seu poder maravilhoso!

Ah, Senhor, abraça este povo, que tanto quero abraçar e não consigo, sou limitada demais, meus “braços” são curtos demais e acho que, justamente, para que possam ser completos nos teus que, creio, completarão os “abraços” movidos pela oração, para a glória Tua, somente tua! E felicidade daqueles que te amam e daqueles que passarão a te amar.

E se…

A figueira não floresce
Não há fruto na videira
O produto da oliveira mente

Rios, campos não produzem
O curral está vazio
O aprisco está deserto

Tudo isso se passando e o profeta mesmo assim vai se alegrando em Deus

Mas e se fosse comigo
Pra quê mesmo que eu vivo
Onde está minha alegria?

E se a dor for minha sina
Será que ainda faço rima
Canto alegre a melodia?

E se eu perdesse tudo será que contudo me alegraria em Deus?

Eu quero ser, não quero ter
Eu quero crer, não quero ver

Que minha alegria seja tão somente me lembrar de Ti, meu Deus!
Viver e só de Ti viver
Morrer ansioso por te ver
É minha oração
É assim que eu queria ser

(Stenio Marcius) 
Minha oração, Pai. É assim que eu quero ser!

Ser o que se é ou o que é preciso ser?

Nesses tempos tão ativos de humores aflitivos,
Ser o que se é ou o que é preciso ser?

Nesses dias tão carentes de amor e boas sementes,
Ser o que se é ou o que é preciso ser?

Nessa vida tão “in”grata, tão breve e tão agitada,
Ser o que se é ou o que é preciso ser?

Com a mente tão cansada, sonolenta e desanimada,
Ser o que se é ou o que é preciso ser?

E o corpo desgastado, dolorido e pesado,
Ser o que se é ou o que é preciso ser?

Preciso é ser do jeito que é preciso para obter o que é preciso…

Ser o que é preciso ser para ser feliz!

Eu a e política: estamos nos conhecendo…

O Analfabeto Político

O pior analfabeto
É o analfabeto político,
Ele não ouve, não fala,
nem participa dos acontecimentos políticos.

Ele não sabe que o custo de vida,
o preço do feijão, do peixe, da farinha,
do aluguel, do sapato e do remédio
dependem das decisões políticas.

O analfabeto político
é tão burro que se orgulha
e estufa o peito dizendo
que odeia a política.

Não sabe o imbecil que,
da sua ignorância política
nasce a prostituta, o menor abandonado,
e o pior de todos os bandidos,
que é o político vigarista,
pilantra, corrupto e o lacaio
das empresas nacionais e multinacionais.
(Berthold Brecht)
– retirado de: http://www.planetaeducacao.com.br –

Pois  é, durante muitos anos posso dizer que fui uma analfabeta política, apesar de ter uma noção de que uma má administração política geraria “coisas” e “pessoas” ruins, sempre ignorei política alimentando desprezo pela grande maioria dos candidatos. Desde os 17 anos, quando comecei a votar, perguntava a minha mãe – super mulher, politizada, militante de esquerda – em quem ela iria votar e votava nos mesmos candidatos dela, acho que essa postura, na verdade, era cômoda, ela que conhecia os candidatos, ela acompanharia seus mandatos e os cobraria… e eu, nada faria! Ela mandava eu “me ligar”, mas eu não ouvia…

Nas últimas eleições, a revolta aumentou (na verdade entortou, porque não teve o efeito correto!) e eu danava a anular voto, ao invés de procurar um(a) candidato(a) decente, coloquei todo mundo no mesmo saco e desperdicei a chance de dar meu voto a quem, talvez, mesmo que não vencesse, teria esperança em continuar na jornada lutando pelas causas do povo.

Hoje, ando lendo, pesquisando, conversando… ainda pouco, mas pelo menos estou me mexendo! E já tenho candidatos e candidatas à presidência e deputado estadual. Faltam somente 13 dias para as eleições, ainda faltam 2 candidatos(as)…
Até que esse novo procedimento me deu uma pontinha de esperança, agora, caso vençam, espero acompanhá-los em seus “trabalhos”, já que estão ali servindo ao povo, inclusive a mim!

Como cristã, sinto-me na obrigação de dar atenção a este mundo em que agora habito, amá-lo e cuidá-lo, esperando sempre uma melhora, mesmo que pequena, mesmo que lenta, não sei quando será o fim desse tormento, mas enquanto estiver aqui, devo somar para mim, para os meus, para o próximo.

Que o Senhor dê sabedoria aos seus e que oremos rogando por momentos de paz a este mundo, paz que não vem de manifestações hipócritas, mas de Deus! Bastaria cada crente em Jesus fazer sua parte bem feita e pronto, grande parte dos problemas estariam sanados… Pelo menos uma parte bem feita: o voto, já é um bom começo.