Primeiro: amar e cuidar de mim

Ao entrar na vida cristã, faço isso por mim, não por alguém. São carências minhas que não foram supridas, são ilusões minhas que querem tomar corpo, são desilusões minhas que precisam ser esquecidas, é um amor meu que não foi correspondido à altura da minha necessidade. Ser cristão é sim, amar a mim! 
Quando olhei verdadeiramente para Cristo e reconheci seu amor, fiquei sem palavras, sem explicação, sem nada… Só olhei pra Ele, contemplei e adorei! Ele me amou primeiro e com Ele aprendi e aprendo a cada dia o que é amar, sem as definições programadas, esquematizadas, bem elaboradas desse verbo, mas na vida, na prática, na atividade dele. Eu não sei definir o que é amar, mas sinto esse amor constrangedor. O que sei é que o amor começa em Deus e pode encher-me ou não. Deus é amor, sim é, pra mim.
Hoje, a grande maioria dos eventos evangélicos com discurso “evangelístico” tem me incomodado. Não era pra incomodar, talvez, afinal, cada um dará conta de si, mas acabamos prejudicando a “conta” do outro. Incomodo-me com crentes mal resolvidos que se colocam como ponte para fazer outros felizes. Incomodo-me com a farsa, com o discurso, com a mentira. Crentes que não aprenderam a olhar nem para si próprios, pois ainda não conseguiram vislumbrar Jesus, quanto menos o outro… E vão evangelizar… mas para falar de que? para falar de quem? Pra mostrar que face? Claro que se olharmos somente para nossas limitações, não vamos a lugar algum, não faremos nada, não nos sentiremos capazes, mas devemos olhar para “nossa” capacidade com ressalvas, muitas ressalvas, caso queiramos levar alguém a alguma coisa ou pessoa. 
Devemos olhar para nós como amados, primeiro, para amar e servir aos outros e não pensar que podemos “levar” alguém para algum lugar. Devemos servi-los e o Caminho em que estamos os levará. Simples assim e difícil assim. 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *