A dor de não querer sentir dor

*

Mais um post meio deprê… Acho que isso é devido ao cansaço, um cansaço cansado e chato. Um troço que incomoda, mas muito mesmo, talvez o tal do stress. Dói a cabeça, dói o corpo, dói a alma. É um saco sentir dor! Ainda bem que não tem como não senti-la, tem como aliviá-la, tem como ela ficar longe durante algum tempo, mas não senti-la, não há essa possiblidade! E num momento em que esta maldita está presente, aqui estou eu também! Eu com ela e ela comigo…
É estranho porque parece que ela sai de mim, mas eu não quero ela aqui e mesmo assim, ela sai de dentro de mim. Coisas externas provocam a “entrada” dela. Eu, sinceramente, não queria que ela entrasse e muito menos que saísse! Mas também se não sai… Deve ficar pior ainda, se remoendo e aumentando… melhor sair mesmo!

Escrevi o trecho acima em 26/7 à tarde e salvei no rascunho pra continuar depois. Na bendita noite desta mesma data lá vem o Senhor com Provérbios 3 denovo… Ele já tinha falado no domingo, mas falou denovo ontem! Sinceramente, eu não queria ouvir isso! Só queria ouvir: “você tem razão”. Mas que raiva!! Eu nunca tenho razão! E ainda há conselhos pra eu não querer ser má, logo eu que estou cansada de tentar ser boazinha… rsrs (boas risadas… de boazinha estou longe… muito, mas muito longe, sem exclusividade minha, os humanos em geral!). Confesso que, às vezes, não gostaria de agir corretamente!! Mas não consigo… e mesmo assim, tentando acertar, ainda erro.

Confesso que, nesse momento da minha vida, gostaria de ter mais idade, mais experiência, mais paciência do que juventude, que não tem me servido muito a não ser pela saúde! E que eu permaneça saudável! (pelo menos isso eu quero muiiiitooo mesmo).

E tudo em nome do “outro”, do “serviço”, do “amor”… queria não me afetar com isso, mas pra mim, essa possibilidade ainda está loooonge.

Só a graça…

Filho meu, não rejeites a correção do SENHOR, nem te enojes da sua repreensão.
Porque o SENHOR repreende aquele a quem ama, assim como o pai ao filho a quem quer bem.
Não deixes de fazer bem a quem o merece, estando em tuas mãos a capacidade de fazê-lo.
Não digas ao teu próximo: Vai, e volta amanhã que to darei, se já o tens contigo.
Não tenhas inveja do homem violento, nem escolhas nenhum dos seus caminhos.
Porque o perverso é abominável ao SENHOR, mas com os sinceros ele tem intimidade.” (Provérbios 3:11-12; 27-28; 31-32)

*

A História que Eu não escolhi


Interessante é tentar imaginar o melhor de Deus. Muitos dizem que Deus tem o melhor para nossas vidas. O Melhor.

Para o homem, saber este melhor sob suas próprias persepectivas é impossível!

Parte de mim – a nova natureza, dirigida pelo Espírito Santo de Deus – quer entender, quer ponderar, equilibrar, respirar fundo, lançar-se aos pés do Senhor, esperar…
“Embora, no presente, por breve tempo, se necessário, sejais contristados por várias provações, para que uma vez confirmado o valor da vossa fé, redunde em louvor, glória e honra na revelação de Jesus Cristo; no qual, não vendo agora, mas crendo, exultais com alegria inidizível e cheia de glória, obtendo o fim da vossa fé: a salvação da vossa alma.” (1 Pedro 1:6, 7, 8, 9 – partes)

Pai amado, Pai querido, peço-te que me sustente em momentos de angústia e provação, pois sou tua e tu és Bendito, e todo o bem está em ti, consequentemente, todo bem está em mim, já que sou morada tua, pois aceitei entregar minha vida a Jesus, meu Salvador, que me limpou e me deu vida eterna, e fez de mim Sua morada. Como vaso de barro que guarda um tesouro, vaso que veio do pó da terra, que precisou de alguém para tomar forma e transformar-se até a forma que conhecemos, vaso frágil, que ao menor desequilíbrio, cai e quebra, se tornando em pedacinhos, que se ficarem no chão, voltarão, rapidamente ao pó, de onde veio o vaso; vaso que pode ser restaurado, não com marcas de colagem e rachaduras, mas feito novamente por um oleiro dedicado, amoroso e perfeito! Oleiro que ama tanto sua obra, o vaso, que antes mesmo que ele caia, o segura, pois dói vê-la cair e quebrando no chão. Por mais pronto que esteja o oleiro a restaurar o vaso e por mais fácil que seja essa tarefa para o oleiro perfeito, dói no oleiro…
Pai sentiste minhas dores na cruz em Jesus! Sabes de todos os meus sofrimentos e temores, sabes de todos os meus erros e vacilos e tropeços… sabes de toda dor que causei a minha vida por estar longe de Ti, sabes as dores e agressões que sofri e o quanto me afetaram quando estava longe de Ti. Sabes melhor até, do que eu mesma, por mais que as dores sejam minhas, Tu sabes distingui-las muito melhor do que eu! Tu és maravilhoso, Senhor! Eu te amo tanto!
Louvo-te, oh Deus, autor da minha salvação! Sabes o que somos capazes de suportar e sabes a glória que tudo dará a Ti! Por isso louvo-Te, Senhor, pois participamos da tua glória, sendo usados por ti, para que teu nome seja glorificado.
Que minha fé seja confirmada, muito mais preciosa que o ouro e redunde em louvor e glória a Ti.
Aleluia!! Me alegro no Deus da minha Salvação, o qual me selou com seu Espírito e me garante estar na sua Glória! Ah, Senhor… nem sei explicar!

Parte de mim – a velha e podre natureza, dirigida pelo pecado e toda sorte de mal, quer não entender, quer questionar, urrar de desespero, gritar e lançar-se de uma janela!
“Porque não queremos que ignoreis a natureza da tribulação que nos sobreveio, porquanto foi acima das nossas forças, a ponto de desesperarmos até da própria vida. Contudo, já em nós mesmos, tivemos a sentença de morte, para que não confiemos em nós, e sim no Deus que ressucita os mortos.” (2 Coríntios 1:8, 9)

Senhor, vendo Paulo dizer isto, me consola e muito, pois toda a ousadia, autoridade em Ti e intrepidez para falar do teu Evangelho, Paulo teve. Um homem que não deixa sombra de dúvida que te amou com todo o seu amor e se entregou a ti sem reservas. Um homem que não teve medo e simplesmente confiou em Ti. Este homem sentiu dores, dores que o fizeram desesperar a ponto de querer morrer!
Ah, Pai, mais consolo ainda tenho quando ele diz que confiou em ti e o Senhor o livrou da morte e continuou a confiar de que o Senhor o livaria sempre. Esta morte, morte da alma, quando desesperamos da própria vida e queremos que ela acabe para que o sofrimento acabe junto, peço que nos livre desta morte, morte de esperança, morte de paz, morte de vida…
Pai, é inegável que os teus, por ainda terem inclinação para o pecado (apesar de serem libertos da condenação dele) e olharem muito sob perspectivas humanas, têm sentimentos que querem a morte, sentimentos estes que fazem parte da velha natureza, aquela morta, hipócrita, que finge ser feliz, mas não é. Essa natureza, a humana, não sai da gente, pois ainda estamos na terra, ainda temos um corpo e uma mente limitados e por isso, sofremos com as adversidades da vida, tanto que o Senhor mesmo nos alertou que teríamos aflições no mundo, mas nos deu alívio quando disse para termos bom ânimo porque o Senhor já havia vencido o mundo, e isso Tu nos disseste para que tenhamos paz em ti. Tu és maravilhoso, Senhor! Te adorarei todos os dias da minha vida! Só vale a vida se vivida em Ti e para Ti… só assim! Por isso me alegro! Não com falsas alegrias, “felicidade” momentânea… nada disso… Não sei o que vem pela frente, mas sei que em Ti, vem o melhor! “Sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o seu propósito.” (Romanos 8:28)

Claro que, sob minhas perspectivas, a minha história seria outra mas, certamente, não seria a melhor, pois meu coração pode fazer planos, mas tortos como são, seria difícil encaixá-los. Glória a Deus, pois a resposta CERTA vem dEle e não de mim. (Provérbios 16:1)

**