O que vamos comer hoje?

Já estava colocando o prato de comida dos meninos quando Gustavo perguntou o que era a comida. Respondi o que era a comida. 

Ele perguntou se a minha comida seria igual a dele, eu disse sim e surpresa perguntei por que ele havia feito esta pergunta, ao que me respondeu:
– Porque você outro dia comeu a coisa boa e deu o que não era bom pra gente (referindo-se a ele e ao irmão). Você comeu o OVO e deixou a CARNE pra gente…

Tive que rir e muito! No meu aprendizado sobre alimentação até aqui, carne sempre foi melhor do que ovo…rs. Mas está aí, meu filhote, mostrando suas preferências.

Frases do Gu

Orando: “Senhor, me ajuda a ter dinheiro, me ajuda a ter torradeira, me ajuda a ter casa, me ajuda a ter carro… Não gostou da minha oração, né mãe?”


*************************************

Mãe: Gustavo! Seu caderno de pesquisa ainda está esperando a pasta (para ser colocado dentro desta). 
Gu: E por acaso a pasta tem vida para esperar?!

Papo sobre “Carrossel”

Gui : Mãe, você viu a mãe da Maria Joaquina? Faz tudo o que ela quer… Se um dia eles ficarem pobres… (confesso que não lembro as palavras que ele usou, mas quis dar a entender que ela não aguentaria, tipo, ia surtar! rs)
Gu: É mesmo, ela maltrata o “Ciliro” (o correto é Cirilo), joga as flores que ele deu pra ela no chão…
Gui: Até que o pai da Maria Joaquina é mais consciente que a mãe, ele até falou que se ela continuasse com preconceito contra o Cirilo, ela ia pro colégio interno.


Em meio as zangas do Gu…

Depois que “briguei” com ele sobre a bagunça do seu quarto, ele respondeu com alguns argumentos (com fundamentos óbvios para ele, como: “o quarto é meu”). Depois de falar e fazer uma breve pirraça, ele explodiu: “Mãe, já perdi a paciência com você! Não vou mais te dar o peugeot 207!” Ele já diz há um tempo que quer me dar um carro de presente.
Depois que passou “raiva”, ele disse: “sobre o seu peugeot eu ainda estou pensando…” 

– Gustavo, vai tomar banho! Já pedi várias vezes pra você ir tomar banho!
– Você não falou várias vezes, eu não ouvi nenhuma e eu tenho ouvido, Eu “ouvo”!! – Disse com os dedinhos apontando para os ouvidos, muito zangado…

Sobre vida, morte e política!

Gu: “Eu já sei porque as pessoas morrem. Quando alguém leva um tiro na barriga o ar todo da pessoa sai, por isso que tem que ir logo pro médico, pra costurar a barriga e depois fazer respiração boca a boca para o ar voltar e a pessoa viver!” 


Gui: “Ah, mãe, eu tenho que crescer logo pra ser um deputado, prefeito, presidente… Tem que mudar isso tudo que tá errado”. Disse isso balançando a cabeça indignado, depois de ouvir comentários sobre práticas erradas na política. rs.

“Fígaro!”

O tipo de proceder que narro aqui não é incomum para crianças, já soube de várias que “praticaram” esta arte: a de cortar o próprio cabelo. Gustavo foi um desses. Segundo ele, numa atividade de corte e colagem em sala de aula, precisavam montar um boneco e para preencher a cabeça do boneco com cabelo, ao invés de cortar pedacinhos de papel e montar o cabelinho, quis colocar cabelo real, o seu, no boneco. 
Engraçadinho ouvir a historia, mas nada engraçado na prática! Ele havia cortado o cabelo no cabeleireiro há uma semana, o corte não é barato e logo na frente da cabeça, ficaram nítidos o que costumamos chamar de “caminhos de rato”. Terrível.

Frases dos meus meninos

Gustavo: 
“Eu não quero ficar de castigo!!! Deus, faz uma magia nela (eu, a mãe) pra ela entender que eu não quero ficar de castigo!!”
“Mãe, por acaso a escola é Deus pra você falar tanto que eu tenho que fazer trabalho de casa?!”
“Minha escola vai se chamar RJ Mundu (???). Vai ter video game, futebol e brincadeira…”. “Estudo que não vai ter” – disse Guilherme – “É mesmo, não vai ter estudo” – respondeu Gustavo.

Guilherme: 
“Você tá triste, mãe? É algum problema com os meninos de rua? É no seu casamento?” (hã?!)
“O que é sintaxe? Qual a classificação disso?”
“Não sei porque tem que andar calçado no chão frio… o frio do chão passa pro chinelo e do chinelo passa pro corpo.” (na época tinha 5 anos)

O Banho de Perfume

Travessuras, muitas travessuras… Gu, com seu horror ao banho, chegou na sala com um cheiro fortíssimo de colônia e por sinal, a minha colônia que estava no fim! Pois é, ele abriu o frasco e passou perfume no corpo e na roupa e ainda usou um desodorante de flores. Não tive nem tempo de perguntar, ele mesmo já veio perguntando “Mãe, me cheira, estou cheiroso? Ai, mãe, eu estou tão cheiroso que nem preciso tomar banho hoje…” Minha colônia acabou mesmo e o desodorante de  flores também…rs

Gustavo em: A luta contra o banho

Gustavo, como já é sabido dos que convivem com ele, odeia tomar banho e repete esta frase sempre que tem que fazê-lo.
Como cristãos ensinamos nossos filhos sobre amor a Deus, seu poder, soberania e salvação através de Jesus. Gustavo tem um pouco de dificuldades com o que não vê, mas neste dia ele recorreu a Deus num desespero incontrolável para não entrar debaixo do chuveiro. Gritou aos prantos “Jesus, eu não quero tomar banho, eu odeio tomar banho, me ajuda Jesus!” Eu tentava explicar que não adiantava ele pedir para não tomar banho, ainda mais no estado em que se encontrava, muito sujo. 
Tive que levá-lo até o box e ele continuou aos gritos pedindo ajuda a Jesus. Quando liguei o chuveiro e ele viu que não teria mais para onde fugir, se revoltou contra Jesus e emitiu seu parecer ainda aos berros desesperados: “Jesus não controla nada, não tem poder de nada, não quer fazer nada só quer ficar na moleza, na praia sentado na cadeira…”